dia 1 de setembro 2015 - parte I

Depois de tantas mensagens trocadas este encontro era inevitável, concordei encontrar-me mas tinha que ser um sitio com algum movimento se bem que tu querias era privacidade. Trataste de todos os pormenores e eu só soube de alguns detalhes, o suficientes para me sentir confortável em me encontrar com o desconhecido que tão bem me conhecia. Pela manha recebi em casa uma caixa com um grande laço e um bilhete agarrado, com algum nervosismo peguei nele e o li, dizia para as 20 horas em ponto estar preparada que  um carro com motorista me  iria buscar. Durante todo o dia meu estômago esteve as voltas, são 18h e esforço- me por comer algo para de seguida me arranjar. Ganho coragem e abro a grande caixa e nela vislumbro um vestido branco de organza com bordados dourados junto com o vestido vem também uns sapatos que já os tinha andado a namorar em tempos, salto alto transparentes e com uma borboleta na frente, olho chocada e nem acredito em tudo que os meus olhos vêem, e sem descurar ainda enviaste uma lingerie. Com cuidado visto cada uma das peças olho me no espelho e vejo  o quão espectacular eu estou. São finalmente 20 horas e tocam a campainha pego na minha bolsa com umas coisas essenciais e desço até a porta de entrada e nela encontro um carro branco com vidros fumados,  o motorista segura a porta a espera que eu entre, mal entro logo a porta a fecha. A viagem dura pouco menos de meia hora, chegando ao destino a porta se abre mas desta vez não pelo motorista, suspiro e vejo que me encontro a porta do hotel Intercontinental, entro sabendo perfeitamente onde me dirigir, lentamente vou a até o restaurante e digo meu nome ao garçom que rapidamente me e encaminha até uma mesa. Já sentada espero impacientemente pela tua chegada,o meu telemóvel faz um bip com alguma frustração vou ver, e é uma mensagem tua dizendo que me encontro deliciosamente bonita nesta noite, cansada da espera me preparo para ir embora quando tu aparece, olho-te admirada e ao mesmo tempo mais calma, continuas igual ao que eu te conheci, cabelo meio despenteado e barba, mas estas tão arranjado que meu queixo quase cai de admiração. Sentamos nos e não consigo parar de olhar para ti....

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by Email