dia 22 de junho 2017

Pode-se dizer que sou uma pessoa "fechada", tento não confiar muito nas pessoas e tento não acredito em amores que aparecem do nada, se bem que para amarmos basta estarmos vivos. Podia dizer que a ultima vez que gostei de alguém foi há um ano atrás, mas estaria a mentir se assim o fizesse, embora tivesse o meu coração trancado a sete chaves e uma muralha a minha volta, esse sentimento voltou a me invadir à poucos meses atrás me apanhando desprevenida e deitando abaixo todas as barreiras que tive que construir ao longo de um ano. Se há sentimento que eu odeio é este sentimento que nos corroí por dentro e que aos poucos nos vai destruindo! Eu sabia já há um ano atrás que ia cair bem fundo se me decepcionasse, e tentei dar uma chance, nem sei bem porque, mas algo me dizia e se este que achas que é o errado for o certo na tua vida? Já tinha conhecido pessoas que achava que podiam ser as certas e afinal eram as erradas. Foi o certo, era o certo e ainda podia ser o certo mas deu errado, não culpo a ele, mas também não vou por as culpas todas em mim, ambos erramos de maneiras diferentes e acho que no fundo acabamos magoados. E senti-me cair bem no fundo do poço. A coisa que eu mais temia aconteceu e sem eu poder evitar, e cair a pique de um penhasco é terrível, mas eu sabia que era isso que ia acontecer, que ia bater bem no fundo e que levantar-me novamente ia ser uma batalha. Desde essa altura que poucas pessoas deixei se aproximarem, que poucas pessoas deixei conhecer a verdadeira Afrodite Poseidon mas houve uma pessoa que sem eu querer conseguiu derrubar toda a minha muralha e destrancar os sentimentos que eu havia fechado, e há coisa melhor do que nos voltarmos a sentir nas nuvens?! Sentia que o conhecia a imenso tempo, era tão fácil de falar e sem nunca me julgar e depois mostrava reciprocidade. Mas todos os paraísos acabam tendo o seu próprio inferno, e de um momento para o outro tudo mudou e até hoje não entendi o porque. Fui cega em confiar novamente em alguém. Mas também isto acabou por me mostrar que ainda tenho sentimentos, que não os matei como gostaria. Era tão bom ter um coração de ferro, um coração que não sentisse e que nada nem ninguém o pudessem magoar. Gostava de ser imune a sentimentos mas infelizmente não o sou mas a cada queda mais de pedra me vou tornando. E chegarei a um ponto que serei cega, surda e muda, serei imune a tudo que me possa afectar.

por Afrodite Poseidon

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by Email