dia 14 de maio 2016

Odeio a falta que sinto de ti!
A estranheza de solidão que ficou comigo a viver... saíste da minha vida, mas um pouco de ti ainda vive dentro de mim, quando eu já em ti não vivo, pois apagaste todas as memorias de mim. Estou carente de ti, e só de ti! Carente do teu toque, carente dos teus beijos... não carente de sexo! Sinto-me carente de ti na minha vida! Carente da segurança que me davas! Carente de amar e acreditar que o amor existe!
Odeio esta carência parva de ti!

by Afrodite Poseidon

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by Email